Isa Fonseca
Terapeuta Holística CRT 33426

Especialista em:

  • Musicoterapia
  • Acupuntura
  • Reiki
  • Radiestesia
  • Terapia Prânica

Terapia que desperta sensações adormecidas na Doença de Alzheimer.

A musicoterapia é uma intervenção terapêutica que se utiliza da música para promover melhora na qualidade de vida do paciente, bem como seu maior desempenho nos aspectos biopsicossociais.

O contato do doente de Alzheimer com a música torna a vida de toda família mais prazerosa.

A intervenção da musicoterapia no tratamento da pessoa com a Doença de Alzheimer tem como objetivo utilizar, resgatar e ampliar os componentes pessoais existentes nas sensações, percepções, afeto, escuta, habilidades motoras, espaciais, temporais, mobilização de energia, atenção, memorização, concentração e expansão. Esses componentes permanecem adormecidos devido à doença, podendo ser despertados por meio da música, pois, para se relacionar com a música, o paciente necessita acioná-los.

A música amplia as formas de comunicação, bem como acalma e traz diversas recordações, desde uma história vivenciada com sua melodia, ritmo e letra, que trabalham a memória, as emoções e o corpo.

A musicoterapia estuda o ser humano em sua complexidade, por meio do diálogo que faz entre música, terapia e desenvolvimento humano.

Os objetivos terapêuticos envolvem a reeducação/estimulação e a expansão de um trabalho individual para um contexto amplo, com a atuação de cuidadores, partindo da premissa básica de que, para se tornar saudável, é preciso considerar o indivíduo em seu contexto familiar e social.

Por meio da prática diária e sistêmica, estimule seu familiar a dançar e cantar ao ritmo do som escolhido. Certamente, a música despertará o bom humor e o bem-estar, além de facilitar a comunicação e as relações interpessoais.

Os filósofos realizavam investigações profundas no que diz respeito a efeitos da música sobre a mente e o corpo. Hipócrates a utilizava no tratamento de perturbações espirituais. Platão, para a saúde física e psíquica, no combate a angústias e fobias. Aristóteles, para as emoções profundas e reprimidas.

A música foi bastante utilizada para reduzir a ansiedade dos doentes da segunda guerra. Os resultados positivos atraíram ainda mais a atenção dos médicos, despertando neles o interesse pela musicoterapia, que faz parte do grupo das terapias expressivas. Ela é a experiência que o indivíduo vivencia com e por meio dela. Ao libertarmos emoções por meio da música, indicamos o que pensamos e como vivemos a vida.

A música atua como parceira do terapeuta no processo de intervenção. Em musicoterapia, o paciente é convidado a se relacionar com os elementos sonoros e musicais e, a partir desta relação, o ato de cantar, ouvir a música e o som ou até mesmo tocar expressa como o indivíduo faz para ser ouvido e como faz para ouvir.

Na musicoterapia, o indivíduo é chamado para resolver problemas musicais: explorar e testar alternativas, beleza, sentido e significado, fazendo-o relacionar a experiência musical vivida na terapia com sua forma de vida.

Dicas:

  • Pergunte sobre suas preferências musicais e as utilize no trabalho de musicoterapia.
  • Para o estímulo à memória, é possível tocar um trecho da música e verificar se ele canta o restante; dar-lhe a letra por escrito faltando alguns trechos, para que sejam completados; ou, simplesmente, encorajar a recordação de alguma palavra.
  • Deixe músicas calmas e com baixo volume durante atividades que podem deixar seu familiar irritado, como tomar banho ou fazer refeições.
Musicoterapia para Idosos

Atuação terapêutica dos elementos musicais:

Ritmo

Dá forma; materializa o tempo e o espaço. É o pulsar da vida física.

Estimula a vida fisiológica: execução e elaboração de movimentos físicos.

Melhora a locomoção, a mobilidade e a motricidade oral.

Melodia

É a sucessão temporal de sons e silêncios.

Estimula a vida psíquico-emocional por meio dos procedimentos melódicos: escalas, intervalos, canções.

Aprimora e resgata o afeto, a autoestima, a memória e a percepção.

Harmonia

Está associada aos aspectos cognitivos e ao pensamento.

Estimula a vida psíquico-social: resgatar e ampliar a comunicação verbal e não verbal, a convivência e o sentimento de pertença.

Atividades musicais

As atividades poderão ser realizadas em sessões de musicoterapia, com a presença do musicoterapeuta − que facilitará a técnica − e em casa, junto com familiares e cuidadores.

As atividades praticadas pela família não substituem a terapia; os familiares necessitam do auxílio de um profissional para ajudar a aliviar as situações de crise, de impaciência, de medo, de raiva, de revolta, de isolamento e de perda de energia, tanto da família, do cuidador, como da pessoa com a Doença de Alzheimer.

A música pode transformar o impossível em possível, o sofrimento e a dor em aprendizado e resgatar a autonomia das pessoas. Ao mesmo tempo em que ela desvia a atenção da dor e alivia a ansiedade, acessa e resgata a força interior e a essência do ser, pois interfere na circulação do sangue, na pulsação, na respiração e na temperatura do corpo.

O estímulo musical aumenta a liberação de endorfina, resgata a alegria e possibilita ao corpo criar seu próprio anestésico, melhorando a função imunológica, além de refinar e facilitar os processos do reaprender.

A musicoterapia é capaz de estimular em si e no outro as capacidades de pensar, ser e vivenciar a vida de maneira dinâmica, criativa e harmoniosa.

Somos especialistas em atendimento domiciliar para pessoas com a Doença de Alzheimer, AVC, Parkinson.

Valorizamos as necessidades individuais dos assistidos e da sua família.